Pesquise algo

terça-feira, 30 de junho de 2020

Rumo à independência financeira - Atualização mensal (JUN/20)

Olá, pessoal. Dando seguimento aos posts mensais de atualização do progresso rumo à independência financeira, informo os dados atuais:

Percentual alcançado rumo ao plano Fat FIRE ⇒ 38,88% 

Resultado em relação ao mês anterior ⇒ ⬆ 1,88% (ante 38,16%)

Meta de médio prazo: atingir 50% do Fat FIRE até 17/10/2023

Taxa de poupança no mês ⇒ 44%

Resultado em relação ao mês anterior ⇒ ⬇ 44,3% (ante 79%)

Média da taxa de poupança dos últimos 12 meses ⇒ 36,25%

Meta de taxa de poupança média mensal ⇒ 40%

"Os dias prósperos não vem por acaso; nascem de muita fadiga e persistência" (FORD, Henry)

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Selic em 2,25% a.a.: e agora?

Com o novo corte na Selic, que agora está em 2,25% ao ano, o rendimento projetado da nova poupança, por exemplo, que ainda é o "investimento" mais disseminado no Brasil, tende a não superar a meta de inflação projetada para 2020, de 4% segundo o Banco Central.


                                      Ficou mais difícil atingir a independência financeira?


domingo, 31 de maio de 2020

Rumo à independência financeira - Atualização mensal (MAI/20)

Olá, pessoal. Dando seguimento aos posts mensais de atualização do progresso rumo à independência financeira, informo os dados atuais:

Percentual alcançado rumo ao plano Fat FIRE ⇒ 38,16% 

Resultado em relação ao mês anterior ⇒ ⬆ 2,38% (ante 37,27%)

Meta de médio prazo: atingir 50% do Fat FIRE até 17/10/2023

Taxa de poupança no mês ⇒ 79%

Resultado em relação ao mês anterior ⇒ ⬆ 64,58% (ante 48%)

Média da taxa de poupança dos últimos 12 meses ⇒ 37%

Meta de taxa de poupança média mensal ⇒ 40%

"A liberdade de cada um termina onde começa a liberdade do outro" (SPENCER, Herbert).

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Sobre o tweet "polêmico" da Vanessa da Mata

Olá, pessoal!

Espero que todos estejam bem e conseguindo sobreviver aos desafios que são impostos pela pandemia de COVID-19 e pela falta de gestão pública, de todos os entes federativos, para o enfrentamento da crise.

O post de hoje é para estimular o debate sobre a repercussão gerada por um simples tweet da cantora Vanessa da Mata sobre poupança.

No Twitter, a cantora disse que é necessário que se poupe 30% do que se ganha.




























A repercussão ao tweet pelo público foi bastante negativa. Em geral, apontou-se que a cantora foi insensível frente ao atual momento que o Brasil está enfrentando, com pessoas vendo suas fontes de renda serem diminuídas pela crise econômica derivada principalmente da pandemia do COVID-19. Logo, foi, pelo público, considerado irreal ter uma poupança de 30% de renda, como defendido pela Vanessa da Matta, especialmente em um momento como o atual.

Porém, este blog gostaria de fazer uma defesa parcial do tweet da Vanessa. Feita a ressalva de que os tempos são realmente mais difíceis e desafiadores do que o normal no Brasil (que já é algo muitíssimo complicado), a cantora está certa no ponto de que manter um grau de poupança sobre a renda é um fato muito importante.

Apesar de ser um desafio para a maioria dos brasileiros, a poupança de um percentual do que se recebe é fundamental para uma vida financeira equilibrada. Afinal, ao se gastar mais do que se recebe, salvo se a pessoa possuir um patrimônio acumulado alto e capaz de suportar o déficit, ocorrerá o endividamento, que é um fato que se deveria evitar.

Portanto, gostaríamos de elogiar a atitude da Vanessa da Mata, mesmo em meio à enxurrada de críticas que ela recebeu, de talvez tentar chamar a atenção da população brasileira para a necessidade de se ter um planejamento financeiro básico, de se gastar menos do que se recebe. É uma realidade ainda muito distante da maioria dos brasileiros, mas é um caminho necessário para que cresçamos como um país mais educado e próspero.

Até a próxima!